José Boiteux é a terra de indígenas das tribos Xokleng, Guarani e Kaingang, em 1920 começou a ser habitada por alemães. A cidade é basicamente agrícola, tendo o fumo como produto que movimenta a economia local e que emprega a maioria da população da cidade. Enquanto os índios foram acomodados em reservas, que atraem visitantes até a cidade.

O povo Xokleng é habitante originário do sul do Brasil. Sua língua e cultura não existem em outro lugar. Hoje vivem cerca de três mil pessoas nas terras indígenas que abrangem três municípios catarinenses, José Boiteux, Doutor Pedrinho e Vitor Meireles.

Na década 70, ergueu-se a maior barragem da região, a Barragem Norte, hoje cartão postal da cidade. É possível viver experiências incríveis na natureza exuberante do entorno da Barragem Norte. Rapel, Boia Cross e Pêndulo são as principais atividades para quem ama os esportes radicais.

Terra Indígena Xokleng

Se pretender visitar o município, não deixe de fazer as trilhas que contam as histórias da mata e do povo indígena. A trilha da Sapopema é feita em meio a mata com guias contando a história do povo indígena, passando pela árvore da Sapopema, que era usada para comunicação entre os indígenas na mata.

A trilha conta com cerca de 2 quilômetros de extensão no meio de uma das últimas Reservas do Xaxim Bugio. No final da trilha é preparada uma confraternização na cabana Xokleng com canto, histórias e o delicioso Capung, tradicional comida indígena assada em taquara na fogueira.

Outra trilha imperdível é a Basílio Priprá, que fica na Aldeia Palmeira e conta a história do Povo Xokleng, passando pelo prédio histórico do Dr. Eduardo, “pacificador”, responsável pelo primeiro contato com o povo Laklãnõ/Xokleng no século passado.

Aproveite para conhecer o artesanato feito pelos homens e mulheres das Aldeias como o arco e flecha, brincos, colares, prendedores de cabelo, cestos, chocalhos e cocares.